HISTÓRIA

HISTÓRIA
Recursos para a aprendizagem e o ensino de História

INGLÊS

INGLÊS
Recursos para o ensino/aprendizagem do Inglês como língua estrangeira (ESL)

LÍNGUA PORTUGUESA

LÍNGUA PORTUGUESA
Recursos para a aprendizagem e o ensino da Língua Portuguesa

Francês

Francês
Recursos para o ensino/aprendizagem do Francês como língua estrangeira
.

O TESOURO -Eça de Queirós

04/11/2010

O TESOURO
Eça de Queirós

I

Os três irmãos de Medranhos, Rui, Guanes e Rostabal, eram então, em todo o Reino das Astúrias, os fidalgos mais famintos e os mais remendados.

Nos Paços de Medranhos, a que o vento da serra levara vidraça e telha, passavam eles as tardes desse Inverno, engelhados nos seus pelotes de camelão, batendo as solas rotas sobre as lajes da cozinha, diante da vasta lareira negra, onde desde muito não estalava lume, nem fervia a panela de ferro. Ao escurecer devoravam uma côdea de pão negro, esfregada com alho.

Depois, sem candeia, através do pátio, fendendo a neve, iam dormir á estrebaria, para aproveitar o calor das três éguas lazarentas que, esfaimadas como eles, roíam as traves da manjedoura. E a miséria tornara estes senhores mais bravios que lobos.

Ora, na Primavera, por uma silenciosa manhã de domingo, andando todos três na mata de Roquelanes a espiar pegadas de caça e a apanhar tortulhos entre os robles, enquanto as três éguas pastavam a relva nova de Abril – os irmãos de Medranhos encontraram, por trás de uma moita de espinheiros, numa cova de rocha, um velho cofre de ferio. Como se o resguardasse uma torre segura, conservava as suas três chaves nas suas três fechaduras. Sobre a tampa, mal decifrável através da ferrugem, corria um dístico em letras árabes. E dentro, até às bordas, estava cheio de dobrões de ouro!

No terror e esplendor da emoção, os três senhores ficaram mais lívidos do que círios. Depois, mergulhando furiosamente as mãos no ouro, estalaram a rir, num riso de tão larga rajada que as folhas tenras dos olmos, em roda, tremiam... E de novo recuaram, bruscamente se encararam, com os olhos a flamejar, numa desconfiança tão desabrida que Guanes e Rostabal apalpavam nos cintos as cabos das grandes facas. Então Rui, que era gordo e ruivo, e o mais avisado, ergueu os braços, como um árbitro, e começou por decidir que o tesouro, ou viesse de Deus ou do Demônio, pertencia aos três, e entre eles se repartiria, rigidamente, pesando-se o ouro em balanças. Mas como poderiam carregar para Medranhos, para os cimos da serra, aquele cofre tão cheio? Nem convinha que saíssem da mata com o seu bem, antes de cerrar a escuridão. Por isso ele entendia que o mano Guanes, como mais leve, devia trotar para a vila vizinha de Retortilho, levando já ouro na bolsilha, a comprar três alforjes de couro, três maquias de cevada, três empadões de carne e três botelhas de vinho. Vinho e carne eram para eles, que não comiam desde a véspera: a cevada era para as éguas. E assim refeitos, senhores e cavalgaduras, ensacariam o ouro nos alforjes e subiriam para Medranhos, sob a segurança da noite sem lua.

– Bem tramado! – gritou Rostabal, homem mais alto que um pinheiro, de longa guedelha, e com uma barba que lhe caía desde os olhos raiados de sangue até á fivela do cinturão.


1. O texto corresponde ao início do conto " O Tesouro" de Eça de Queiroz.

1.1. Explica como isso se torna evidente pela leitura do excerto.
1.2. Procura no texto a expressão que permite inserir o conto no tempo histórico da Reconquista Cristã.

2. Os dois primeiros parágrafos do texto são predominantemente descritivos.

2.1. Das opções que se seguem escolhe a(s) que lhe conferem essa particularidade.

a) O predomínio dos verbos de acção conjugados no pretérito perfeito.
b) O rápido avanço da acção.
c) A referencia a um tempo passado.
d) O predomínio dos verbos de estado flexionados no pretérito imperfeito e da adjectivação.

2.2. Coloca, pela respectiva ordem, os aspectos descritivos que concorrem para um espaço social miserável e decadente.

- degradação do espaço físico.
- A inércia e a inactividade das personagens.
- A extrema pobreza das personagens.

3.O inicio do texto contém uma descrição colectiva dos irmãos.

3.1. Procura no texto a descrição individual de Rui e transcreve-a.

3.2. Concluis então tratar-se de:

a) uma descrição física e psicológica.
b) uma descrição psicológica.
c) Uma descrição física.

4. A narração propriamente dita vai ter início no terceiro parágrafo do texto.

4.1. Aponta as coordenadas espaço-temporais que a envolvem.

4.2. Refere o acontecimento que vai originar uma alteração súbita na vida das personagens anteriormente descrita.

3 comentários:

Anónimo disse...

podia estar melhor mas até está bem

19/2/11 4:23 da tarde
Anónimo disse...

axo que está bom, mas deveria ter soluções para depois da execução ver se está certo...

25/8/11 10:20 da manhã
Anónimo disse...

obrigado,pá!!!!! ganda texto

18/6/12 12:14 da tarde

Enviar um comentário

Página Anterior Próxima Página Home
Este blogue e seu conteúdo são propriedade de "Ao Encontro Das Palavras" O texto, logótipos, imagens, fichas e documentos estão protegidos por leis de propriedade intelectual. Qualquer reprodução, cópia, hospedagem de conteúdo desta página em qualquer forma ou por qualquer meio, é estritamente proibida, salvo prévia autorização por escrito do autor e responsável deste blogue !.